Você já deve ter passado por diversos lugares da cidade e visto ruas com grandes árvores e flores, não é mesmo?  Muito provavelmente as sensações que sentiu foram positivas, sobretudo se tiver enfrentado um dia de temperaturas elevadas. Entretanto, os benefícios vão bem além da sensação térmica.

De acordo com o levantamento do IBGE (2010), Goiânia é cidade mais arborizada do Brasil. São mais de 1.200 árvores espalhadas por toda a cidade, representando um total de 89,3% de áreas arborizadas.

Além de ocupar o pódio no cenário nacional, Goiânia também está entre as mais arborizadas no ranking mundial: Ocupa a segunda colocação geral, atrás de Edmonton, Canadá.

Uma cidade com um bom planejamento verde pode melhorar a qualidade de vida, índices de poluição atmosférica e até mesmo o desenvolvimento psicossocial da população. 

Para descobrir quais os benefícios da manutenção de áreas verdes na cidade continue a leitura.

Baixa nos índices de poluição atmosférica.

Os dados são alarmantes. Segundo o levantamento Saúde Brasil 2018, do Ministério da Saúde, a incidência de mortes por conta da poluição atmosférica teve um aumento de 14% nos últimos dez anos. Em 2006 foram 38.782 casos enquanto em 2016, 44.228. 

O agravamento das chamadas doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), sobretudo as que atingem as vias respiratórias e outras estruturas pulmonares como, por exemplo, a asma, bronquite, rinite alérgica e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), tem se tornado um problema de saúde pública em diversas regiões do mundo.

Essas doenças são desenvolvidas no decorrer da vida e muitas são preveníveis. Já outras, são passíveis de se controlar por meio de prática de exercícios, alimentação saudável e tratamento com medicação controlada, melhorando a qualidade de vida daqueles que convivem com as doenças.

Além de afetar a saúde da população, a poluição impacta diretamente nos serviços de saúde disponibilizados pelo Estado. Ainda de acordo com o levantamento, somente no ano de 2018 o custo com internações devido a problemas respiratórios ultrapassou R$ 1,3 bilhão. 

Os últimos dados divulgados pela Secretaria da Saúde do Paraná revelaram que, somente em Curitiba (uma das maiores cidades do Brasil), foram registrados 5.535 óbitos por agravamento de doenças respiratórias crônicas. É um grave problema que tende a piorar diante do rápido e descontrolado processo de urbanização.

Porém, esses dados poderiam ser diferentes. Uma alternativa para reduzir os índices de poluição nas cidade é a utilização da arborização. Mais que uma questão estética, a vegetação possui um papel importante. 

A partir do processo de fotossíntese, as árvores são capazes produzir oxigênio retirando o CO2 (Dióxido de carbono ou gás carbônico) do ambiente. Indivíduos adultos e saudáveis podem transformar até 150kg de CO2 por ano. No caso de Goiânia, citada anteriormente, somente com a arborização mais de 180 toneladas de poluentes são removidos da atmosfera todos os anos. 

Redução da sensação térmica

De acordo com o estudo Planting Healthy Air, elaborado em 2016 pela The Nature Conservancy – uma organização internacional referência na conservação da biodiversidade e do meio ambiente – as árvores e outros vegetais (sobretudo os de médio e grande porte) são capazes de reduzir a temperatura de um ambiente de duas formas. 

A primeira diz respeito à redução dos impactos diretos dos raios ultravioleta. Isso acontece porque a cobertura vegetal nas cidade é responsável pela absorção de 95% da radiação solar, impedindo que atinjam as superfícies de concreto e o asfalto.

Ao mesmo tempo em que evitam o acúmulo de calor, as árvores mantêm e ajudam no controle da a umidade relativa do ar. Essa é a sua segunda função. 

Durante seu processo de crescimento, as árvores executam o processo de transpiração. Essa ação ocorre em qualquer parte da planta que esteja acima do solo, mas são as folhas as principais protagonistas nessa função. Assim, a água presente e seu interior passa ao ambiente externo na forma de vapor. 

Já as raízes são responsáveis pela função de absorção. Dependendo do porte, uma árvore pode extrair até 100 litros de água do solo, direcionando-a ao restante do indivíduo para o processo de transpiração. 

Com esse mecanismo, as árvores podem diminuir a temperatura do ambiente em que estão inseridas. De acordo com especialistas, tal redução pode variar entre 2 e 8 graus, dependendo da cobertura vegetal da região. Como resultado há:

  • Maior umidade relativa do ar e consequente conforto para respirar.
  • Diminuição dos impactos das ondas de calor, comuns em algumas regiões.
  • Redução no consumo de energia elétrica utilizada por equipamentos de ar condicionado e umidificadores de ar.

Mais qualidade de vida

Além da melhoria na qualidade do ar e da redução significativa da sensação térmica, a arborização diminui a amplitude dos ruídos urbanos e gera sensação de bem estar. 

A cobertura vegetal densa atua como uma espécie de isolante acústico, interferindo diretamente nos impactos da poluição sonora, responsáveis pela surgimento de sintomas de estresse, insônia e, dependendo da intensidade, pode provocar surdez, hipertensão, AVC (acidente vascular cerebral) e até infarto.

De acordo com a Trees Are good, organização não governamental que tem apoio da International Society of Arboriculture (ISA), as árvores e demais plantas transmitem ao ser humano sensações positivas:

  • Efeito calmante.
  • Redução significativamente a fadiga e os níveis de estresse do local de trabalho.
  • Reduz o desgaste emocional causado pelo trânsito e congestionamentos.

A arborização também permite que seja a biodiversidade da região seja conservada. Nesse sentido, folhas, frutos, madeira e raízes servirão de alimento e abrigo para diversos seres vivos, sejam nativos ou aves migratórias.

Além disso, graças a amplitude das raízes, os processos erosivos podem apresentar redução de 40 a 250 vezes, dependendo dos demais fatores ambientais da região. Ao mesmo tempo, zonas verdes são mais valorizadas no mercado imobiliário.

Planejamento é a palavra chave!

Apesar de todos os benefícios listados anteriormente, é importante destacar a necessidade de executar um planejamento para o plantio de árvores e criação de áreas verdes, bem como projetos de manutenção preventiva a fim de evitar acidentes e demais riscos à população. 

A implantação da arborização sem planejamento associada à diversidade de equipamentos urbanos gera conflitos subterrâneos e aéreos como, por exemplo, a danificação do sistema de abastecimento de água, tubulações de esgotos domésticos e industriais além das redes de distribuição de energia elétrica.

Existem determinadas espécies de plantas indicadas para compor o cenário urbano, resguardando e garantindo o correto funcionamento dos sistemas básicos sem perder as características do bioma local.