Ano após ano medidas são adotadas para a modernizar as cidades. No entanto, com o conceito de sandbox no ambiente de inovação e tecnologia, o processo de transformação é mais seguro e eficiente, sobretudo, para as smart cities

Isso porque, ao longo dos últimos anos, o Brasil tem avançado no ambiente tecnológico. Para impulsionar esse crescimento, o Governo Federal lançou em 2020 a Política Nacional de Inovação – estimulando projetos inovadores em todo o país. 

Com o setor de inovação e tecnologia em constante crescimento, o conceito de cidades inteligentes segue o mesmo ritmo e se tornou tendência em diversas capitais pelo Brasil:

“Estamos mais perto do que nunca de termos cidades conectadas. Muitos projetos estão ganhando força e sendo implantados em diversos locais do país, mudando completamente o seu desenvolvimento”. Aponta Aleksandro Montanha, presidente do Comitê de Smart Cities da Associação Brasileira de Internet das Coisas (ABINC).

Portanto, para fomentar esse cenário é preciso interação, conexão e cooperação entre os ecossistemas de inovação e gestão pública. Por esse motivo, o sandbox regulatório se tornou um instrumento importante para esse processo, em especial, para promover novos negócios e contribuir com a retomada da economia brasileira.

Acompanhe a leitura e saiba mais sobre a temática.

Mas afinal, o que é Sandbox?

O sandbox é um ambiente experimental para modelos de negócios inovadores que buscam testar e validar suas tecnologias antes de aplicá-las na versão final.

Ou seja, o projeto visa por um espaço de inovação que permite melhor compreensão de produtos, serviços e processos no período de desenvolvimento e testagem. Com o modelo regulatório, é possível evitar que riscos e falhas ocorram durante o processo de execução.

Vale destacar que o espaço de experimentação é desenvolvido em prol da tomada de decisão. Isso porque verificar os efeitos das testagem sem eventualmente comprometê-la como um todo garante mais assertividade e segurança nos projetos.

Com o objetivo de impulsionar a inovação do país, o sandbox é um modelo para diversos segmentos, inclusive para o desenvolvimento de cidades inteligentes.

Sandbox para cidades inteligentes

Os ambientes inovadores para cidades inteligentes foram modelados com o apoio da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). O projeto tem possibilitado a testagem de diversas tecnologias que farão parte da vida dos brasileiros nos centros urbanos.

Assim como outros sandbox regulatórios, o modelo para cidades inteligentes é voltado para pesquisas, etapas, testagens e instrumentos legais necessários para a implementação das tecnologias no ambiente urbano.

Dessa forma, para atender às necessidades de cada município, as tecnologias são aplicadas e adequadas com o objetivo de reduzir tempo, custos e burocracias

Em contrapartida, adotar ambientes de inovação e experimentação segue como um grande desafio para os gestores públicos.

Para a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), as tecnologias devem ser testadas para que os municípios errem e gastem menos com recursos. Veja um exemplo a seguir.

Pense nos projetos de modernização de iluminação pública de LED, considerado hoje, a porta de entrada para o desenvolvimento de cidades inteligentes. Se as lâmpadas não funcionarem de forma adequada ou a tecnologia integrada ao serviço estiver comprometida, problemas como violência, insegurança e insatisfação por parte da população serão recorrentes.

Por esse motivo, um ambiente de controle e monitoramento é essencial para que as inovações sejam validadas, pertinentes e eficientes nos projetos urbanísticos, um ambiente de controle e monitoramento.

Projeto sandbox da Vila A: o bairro inteligente

O programa sandbox para cidades inteligentes está se expandindo pelo país após o sucesso da implementação do Bairro Inteligente Vila A, em Foz do Iguaçu, no Estado do Paraná.

Em parceria com a ABDI, Parque Tecnológico de Itaipu, Prefeitura de Foz do Iguaçu e Itaipu Binacional, o Vila A é o primeiro bairro sandbox do Brasil e hoje, é um dos maiores espaços urbanos de experimentação e validação de tecnologias.

Lançado em 2020, o programa conta com projetos disruptivos, inovadores e livres de regulamentação. Tecnologias como luminárias, semáforos e pontos de ônibus inteligentes são testados e integrados a um Centro de Controle e Operações (CCO).

Dessa forma, no bairro Vila A, empresas testam suas tecnologias, validam com a população e aplicam em todo o município. Por esse motivo, o bairro inteligente possui hoje uma das maiores estruturas do país e integra políticas municipais inovadoras que elevaram o nível no ambiente urbano. 

Para o prefeito de Foz do Iguaçu, o Projeto Sandbox Vila A transformou a cidade em um centro de referência de cidades inteligentes. Com o conceito de cidade moderna, que se preocupa com a segurança pública, mobilidade, inclusão e bem-estar, o bairro inteligente está chamando a atenção de diversas cidades brasileiras para implementação de novos sandboxes.

Este conteúdo foi relevante para você?

O Brasil está crescendo e se modernizando com novas ideias, conceitos e projetos em desenvolvimento. Por esse motivo, o sandbox para cidades inteligentes é considerado hoje o futuro para a inovação urbana.

Por fim, se você deseja saber mais sobre gestão urbana e os impactos das cidades planejadas, clique aqui e boa leitura!