Iluminação pública e eficiência energética são tópicos amplamente discutidos atualmente, principalmente quando se fala em Smart Cities. Para uma cidade ser considerada inteligente, um dos sistemas que deve funcionar de forma otimizada é o de iluminação. 

Tendo em vista esse cenário, vamos entender neste blog post como a iluminação de uma cidade pode ser feita de forma energeticamente eficiente, ressaltando também os desafios relacionados ao processo. 

Iluminação pública e eficiência energética

De acordo com a resolução n° 414 de 2010 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), a gestão, manutenção e modernização da iluminação pública agora é responsabilidade dos municípios brasileiros. 

Assim, desde que a norma foi instituída, as prefeituras têm buscado estratégias para gerenciar os parques de iluminação pública de maneira inteligente e com eficiência energética – uma forma de produzir mais gastando menos recursos, gerando menos desperdício e menos danos ao meio ambiente. 

Para o cumprimento da normativa, a solução encontrada pelos governos municipais e aplicada em quase todas as cidades do Brasil tem sido a modernização dos parques de iluminação pública. 

A modernização, por sua vez, ocorre principalmente através da substituição das lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão, vapor metálico e vapor de mercúrio para as de Light Emitting Diode (LED, ou Diodo Emissor de Luz, em português). 

A modificação decorre das desvantagens desse modelo de iluminação. As lâmpadas de sódio, vapor metálico e de mercúrio possuem um alto consumo de energia elétrica, baixa eficiência luminosa e materiais tóxicos. Além disso, elas geram impacto ambiental no descarte e necessidade de substituição e manutenção frequentes. 

Por outro lado, as lâmpadas de LED possuem inúmeras vantagens para a iluminação pública. São elas: alta eficiência luminosa, vida útil longa, boa reprodução de cores, gastos reduzidos com manutenção e economia de energia de até 60%.

Dessa maneira, a tecnologia LED se encaixa perfeitamente no conceito de eficiência energética. 

Nesse sentido, os municípios brasileiros já estão em busca dessa modernização. Belo Horizonte, por exemplo, já modernizou mais de 100 mil pontos de iluminação, reduzindo o índice de reclamação de a 2 a 3%.  

Desafios da eficiência energética

A partir do momento que se entende qual o esforço está sendo feito para o aumento da eficiência energética na iluminação pública, é possível compreender os desafios que fazem parte desse sistema. 

Porém, os desafios aqui podem ser entendidos como situações que, apesar de exigirem um maior esforço, são necessárias para o funcionamento excelente e que elevam o padrão de qualidade da iluminação viária.  

Certificação 

A Portaria INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) nº 20, vigorada em 2019, regulamenta as luminárias utilizadas na iluminação viária. A norma tem o objetivo de estabelecer padrões mínimos de qualidade para o desempenho e segurança das luminárias de LED.

Portanto, atualmente, todas as lâmpadas com tecnologia LED devem possuir o selo INMETRO supracitado e a etiqueta ENCE (Etiqueta Nacional de Conservação da Energia). Nesta etiqueta consta o número do registro, os dados da luminária e informações do fabricante. 

Assim, apesar de o cumprimento da normativa poder ser percebido como um desafio, visto sua regulamentação recente, é preciso que todas as lâmpadas adquiridas possuam a certificação do INMETRO para a garantia de qualidade do produto e o seu desempenho sem falhas. 

Telegestão

A segunda questão que permeia a temática de iluminação pública é a telegestão. Esse sistema permite o controle e gestão das luminárias de forma remota e automatizada. 

Indo além, este modelo de gestão, por meio de hardwares instalados nos postes de iluminação viária, é capaz administrar e programar o acendimento de lâmpadas. Além disso, ele pode detectar problemas ou falhas e antecipar manutenções. 

Por isso, as luminárias de LED com um sistema de telegestão acoplado é um dos passos em direção às cidades inteligentes. E é também um desafio inovador a ser incorporado pelas prefeituras que gerenciam a iluminação dos municípios. 

Gostou deste conteúdo?

Neste blog post mostramos de que forma o conceito de eficiência energética está relacionado à iluminação pública, trazendo as lâmpadas de LED como exemplos de tecnologias energeticamente eficientes. 

O cenário, portanto, se desenha de forma positiva para a modernização dos parques de iluminação pública. Porém, é importante que as prefeituras se atentem a alguns desafios, como manter os padrões de qualidade propostos pelo INMETRO e a incorporação de outras soluções, como a telegestão. 

Para você entender mais sobre a temática, preparamos um post sobre como as cidades inteligentes se relacionam com a iluminação pública e eficiência energética. Confira!