Surgindo como um braço da anterior ISO 37120, a norma define os conceitos que tornam uma cidade inteligente, ou Smart City. 

A Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) e as Smart Cities se relacionam em diversas maneiras. Os indicadores de cidades inteligentes como a energia, meio ambiente, meios de transporte, consumos de recursos e consumo de água podem ser medidos, comparados e analisados a partir da tecnologia da IoT.

O crescimento contínuo da população em todo o mundo exige que as cidades desenvolvam soluções como resposta às necessidades sociais. Por essa maneira, as cidades inteligentes utilizam de meios tecnológicos para otimizar a entrega dos serviços  públicos e melhorar a qualidade de vida da população.

ISO 37120

A ISO 37122 surge a partir da ISO 37120, uma norma técnica com indicadores de sustentabilidade. Ela foi publicada em janeiro de 2017 e aborda desde dados ambientais quanto questões sociais, econômicas e serviços urbanos. 

Os indicadores são utilizados para monitorar o progresso da performance de uma cidade na tentativa de atingir ou manter o selo de desenvolvimento sustentável, que pode ser uma cidade inteligente ou uma cidade resiliente. 

A Escola Politécnica da Universidade de São Paulo foi responsável por coordenar a CEE-268, a comissão responsável por adequar a ISO 37120 ao território brasileiro.

A NBR ISO 37120 surgiu, na verdade, por uma necessidade acadêmica, já que faltava uma ferramenta ou um conjunto de normas que avaliassem a sustentabilidade urbana. Para isso, foi preciso pesquisar e investigar a norma em outros países ㅡ e foi assim que foram identificados mais de 150 sistemas de medição, desenvolvidos e adotados por nações como os Estados Unidos, França, África do Sul, Inglaterra, Austrália e até mesmo outros sistemas no Brasil. 

O grupo precisou realizar uma avaliação a nível técnico-científico de todo o documento para conseguir adequar ele a uma norma NBR ISO. A ISO, contudo, não faz o trabalho de incluir os medidores e as classificações dadas quando determinados números são atingidos, ou seja, os limites dos indicadores não são definidos. O documento é o passo inicial para a criação de sistemas de certificação, ou seja, é uma ferramenta básica, que sintetiza tudo o que já existe de conhecimento dessas certificações. 

A principal contribuição que a ISO 37120 traz é oferecer esses indicadores de sustentabilidade para cidades interessadas, para que os prefeitos possam avaliar o quão sua cidade é viável do ponto de vista ambiental.

ISO 37122

Em maio de 2019 foi apresentada uma nova ISO com o objetivo primordial de medir a inteligência das cidades, permitindo comparações entre municípios e até mesmo países. Ela surgiu como um complemento para a ISO 37120 e, em conjunto, pretende avaliar como as cidades estão se aproximando dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU). 

Com a população urbana mundial chegando a 4,2 bilhões de pessoas em 2018 ㅡ segundo dados da ONU ㅡ a gestão sustentável é de muita importância e a adaptação dos municípios a conceitos pré-estabelecidos se faz cada vez mais necessário. E, para a Organização Internacional de Normalização, é impossível que essa mudança seja feita sem que haja a medição dos conceitos já discutidos anteriormente e que serão melhor explicados nos próximos parágrafos.

A norma 37122 permite, por meio dos indicadores, medir e avaliar as performances em áreas de eficiência de serviços municipais ou a qualidade de vida que a cidade oferece aos cidadãos. É com a análise desses resultados que se faz a possibilidade de comparação com outras cidades e são encontradas soluções inovadoras para problemas específicos. Implementar a ISO é uma forma de tentar fazer com que os municípios se tornem smart e também possa responder a desafios como o crescimento populacional e as alterações climáticas do planeta, além de instabilidade econômica e política.

A Internet das Coisas pode ser usada para medir pontos necessários e indicadores que a ISO 37122 requer, em áreas como o meio-ambiente e as mudanças climáticas, resíduos sólidos urbanos, meios de transporte, gasto de água e consumo de água. 

Confira os indicadores específicos contidos da ISO de 2019 em que a IoT pode ser usada para medições periódicas e em tempo real:

Meio ambiente e mudanças climáticas

Número de estações remotas de monitoramento da qualidade do ar em tempo real (por quilômetro quadrado)

Usando tecnologias com sensores modernos e tecnológicos os sistemas podem medir partículas de monóxido de carbono, ozônio, dióxido de hidrogênio e dióxido de enxofre. Dependendo do nível de modernidade da máquina utilizada para fazer essa medição o custo é bem baixo em diversos sentidos, como o custo para as adquirir e também o consumo de energia elétrica. As mais avançadas conseguem ser operadas por energia solar e são à prova d’água. 

Porcentagem de edifícios públicos equipados para monitorar a qualidade do ar interno

Os mesmos métodos de monitoramento para ambientes externos podem ser usados para o monitoramento interno. A temperatura, a umidade e a quantidade de ozônio no ar podem ser medidos através de aparelhos que se aproveitam da internet das coisas para funcionar. 

Resíduos sólidos urbanos

Porcentagem de centros de recolhimento dos resíduos

Um centro de coleta de resíduos deve possuir dispositivos de telemetria. Assim, é possível que as rotas dos caminhões de coleta sejam otimizadas com base em informações retiradas em tempo real do trânsito e obras que possam estar acontecendo. Tecnologias ligadas à IoT podem ser capazes de medir a taxa de preenchimento de um recipiente de lixo. Em um município com a implementação ideal, isso significaria saber se é proveitoso passar ou não por uma rua e se a rota vale o combustível que está sendo gasto. A implementação da tecnologia em um aplicativo para celular permite aos responsáveis pela coleta que essas informações sejam analisadas em tempo real.

Transporte

Percentual de vagas de estacionamento públicas equipadas com sistemas de disponibilidade em tempo real

Um sistema de vagas inteligentes provém o status em tempo real das vagas livres para estacionamento. Isso é importante porque é capaz de garantir ao usuário previamente o local em que irá ou não estacionar, potencialmente diminuindo o gasto de combustível do carro e o trânsito nas ruas.

Monitoramento semafórico em tempo real

Com um monitoramento semafórico é possível fazer uma sincronização mais eficiente do sistema de um bairro ou uma cidade inteira, isso gera uma otimização no fluxo das vias. 

Água

Ao monitorar em tempo real os níveis de pH da água e a pressão da água residual nos sistemas de cano da cidade toda é possível identificar possíveis problemas, como um cano furado e falhas na distribuição de água rapidamente. Evitar que um cano vaze água por horas impede desperdícios desnecessários e danosos ao meio ambiente.

Agora que você já entendeu mais sobre a ISO 37122, confira outro post sobre a diferença entre cidades inteligentes e cidades digitais.